ESTUDOS DA TOXICIDADE DO ALUMÍNIO EM VALORES DE pH 7,0 E 7,5 PARA BRASSICA OLERACEA L. E RAPHANUS SATIVUS L.

L. Gabriel, M. C. Volpe, G. A. Cristiano, V. D. D. Neves, D. S. S. Souza, J. L. Ramos, A. L. R. Portela, A. B. Dias, F. B. Villa, G. B. Godoy, I. R. G. Godoi, J. O. F. Monteiro, R. Sebastiani, R. T. Pelegrini

Resumo


A toxicidade do alumínio tem sido verificada somente em valores de pH abaixo de 5,5 devido a solubilidade dos íons Al3+ que ocorre em meio ácido. Este trabalho teve o objetivo de estudar a toxicidade do alumínio em valores de pH 7,0 para a espécie Raphanus sativus L. (rabanete) e 7,5 para a  Brassica oleracea L. (couve) com a finalidade de verificar se em tais valores de pH o alumínio não apresentava efeitos deletérios observáveis. Foi utilizada uma metodologia em que o meio de cultivo continha sementes como organismos testes e um rígido controle dos valores de pH. Os ensaios toxicológicos empregavam concentrações otimizadas de macro e micronutrientes necessários ao desenvolvimento das plântulas. Com o estudo foi possível verificar elevada Toxicidades Aguda e Crônica dos íons Al3+ em valores de pH 7,0 e 7,5 para as plantas estudadas, comprovando que os efeitos tóxicos do alumínio podem ser verificados também em meio de cultivo com valores de pH neutro e ligeiramente básico.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18011/bioeng2019v13n4p312-323

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


BIOENG, UNESP, Tupã, SP, Brasil. e-ISSN: 2359-6724

 Licença Creative Commons

A Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.