ESTUDO DA TOXICIDADE DO GLIFOSATO NA GERMINAÇÃO DE COUVE E RABANETE

F. B. Villa, J. O. F. Monteiro, G. B. Godoy, D. S. S. Souza, J. L. Ramos, A. B. Dias, A. L. R. Portela, G. A. Cristiano, I. R. G. Godoi, L. Gabriel, M. C. Volpe, V. D. D. Neves, R. Sebastiani, R. T. Pelegrini

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos tóxicos do glifosato (N-(fosfonometil)-glicina), um herbicida muito utilizado na agricultura brasileira, como agente estressor, através de uma metodologia de avaliação de toxicidade crônica e aguda nas sementes de couve (Brassica oleracea L.) e rabanete (Raphanus sativus L.). A metodologia escolhida possibilitou a análise dos parâmetros CENO (Concentração de Efeito Não Observável), CEO (Concentração de Efeito Observável) e CE50 (Concentração Efetiva) para cada uma das espécies. Tratando-se do rabanete, foi observado que o CENO aparecia em 1 mg.L-1 de agente estressor, o CEO em 2 mg.L-1 e o CE50 em aproximadamente 7 mg.L-1. Para a couve, observou-se o aparecimento do CENO em 16 mg.L-1, o CEO em 18 mg.L-1 e o CE50 entre 14 e 15 mg.L-1. Foi possível ter, através do estudo, um alto controle do valor de pH (7,0 para o rabanete e 7,5 para a couve), elevada sensibilidade e baixo custo se comparado a outros testes de toxicidade.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18011/bioeng2019v13n4p282-289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


BIOENG, UNESP, Tupã, SP, Brasil. e-ISSN: 2359-6724

 Licença Creative Commons

A Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.