VARIABILIDADE ESPACIAL DA QUALIDADE DO CAFÉ CEREJA

M. M. Baesso, F. T. P. Koja, A. Chi Lin Sun, A. J. Modolo, F. L. Caneppele

Resumo


A qualidade do café pode variar espacialmente em uma mesma área de acordo com as interações do cenário ambiental e genético apresentado à cultura. Essa variabilidade espacial pode ser decisiva para o produtor, visto que o valor comercial do café é influenciado pela sua qualidade. Uma alternativa viável para supor a qualidade do café é a partir do teor de sólidos solúveis (graus brix) do fruto. Dessa forma, foi analisado a variabilidade espacial do teor de sólidos no café conilon, colhido no estágio cereja, visando determinar as zonas de manejo em termos de qualidade. O método foi desenvolvido em uma propriedade de 2 ha, no município de Ribeirão Corrente, no norte do Estado de São Paulo. Foi realizada uma amostragem georreferenciada do café cereja e aferição dos valores de brix, por meio de um refratômetro portátil. A análise dos dados foi feita pelos métodos de dendrograma e “K means”, definindo três classes para os valores de brix, abaixo de 16,5, entre 16,6 e 19,7 e superiores a 19,8. Em seguida obteve-se um mapa que indica a variabilidade espacial dos graus brix dos frutos de café cereja e conclui-se que há uma pequena área da propriedade com maior potencial para a produção de um café de qualidade superior. Indicando, a oportunidade de emprego de um manejo específico que privilegie a comercialização dos frutos produzidos nesse local.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18011/bioeng2019v13n2p109-115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


BIOENG, UNESP, Tupã, SP, Brasil. e-ISSN: 2359-6724

 Licença Creative Commons

A Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.